sábado, setembro 05, 2009

Evangelismo pessoal em uma feira de São Paulo


No mesmo dia que fomos fazer evangelismo de forma bíblica na feira, conversamos com algumas pessoas.
Já colocamos abaixo um dos audios e estamos colocando aqui um outro aqui.


A conversa com esse rapaz, que tinha 13 anos na época, foi bem interessante. Primeiro, porque ele sabia os Dez Mandamentos de cor e isso vimos pouquíssimas vezes. Mesmo pastores não consguiram citar os Dez Mandamentos para nós.
Também existe uma certa arrogância por parte do garoto, em não se humilhar para receber a graça de Deus por nós pecadores. Muito provavelmente ele acha que deve pagar por seus pecados porque ele ainda não entendeu a gravidade da ira de Deus. E também porque nós não explicamos isso direito.
Mas pelo menos plantamos a semente no coração dele e de alguma forma, ele estava buscando alguma verdade espiritual.
Orem por ele e por todos aqueles que ouviram o evangelho naquele dia.

9 comentários:

Décio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Darius disse...

Caro Maurilo

Se a religião não fosse um embuste os crentes não publicavam só os comentários convenientes e assumiam, prioritariamente, o debate honesto e isento das suas convicções.
A religião é, apenas, uma questão de fé que está alicerçada em dogmas de forma a permitir alguma credibilidade sobre mitos imateriais.

Você é livre de acreditar naquilo que quiser mas promover a mentira, como se da verdade se tratasse, revela apenas hipocrisia e insuficiente amor á verdade. Ao descrever as suas convicções como verdades absolutas, e recusando o debate crítico, está a promover a ignorância e a revelar uma personalidade desonesta, débil e falsa. Uma personalidade medíocre.

A ignorância pode ser de facto uma coisa assustadora quando se opta por estar na vanguarda do regime de pensamento único ou quando se tenta atingir a omnisciência rejeitando soberbamente a razão e o crente, vulnerável ao raciocínio caprichoso – vendo demónios onde estes não existiam e sombras onde só existe luz –, assume sempre uma atitude autista em defesa do indefensável, convencido de que uma falsidade tornar-se-á verdadeira apenas por se acreditar repetida e fortemente nela.

Não sou crente, mas assumo as minhas convicções sem me furtar ao diálogo, aceitando a crítica e justificando os meus argumentos. Não acredito em superstições nem alimento preconceitos por divindades porque consigo distinguir entre a aparência e a realidade das coisas e testemunhar a existência de um abismo entre a seriedade e a frivolidade.

Não refutar os meus comentários é de somenos importância apesar de revelar dúvida e incerteza para com uma crença que tenta desesperadamente credibilizar. Incapaz de distinguir entre doutrina e religião, você hipoteca a sua liberdade por desconhecer as diferenças entre o “Jesus” da história e o “Cristo” da fé.

Darius

Maurilo e Vivian disse...

Darius, você voltou! Que bom!

Eu sempre publiquei seus comentários. Só não publiquei aqueles nos quais você se negou a seguir a política de comentários do blog. E isso depois de muitos avisos! Você sempre vai ser bem vindo para postar seus comentários aqui, desde que respeite as regras foram criadas para meu blog. E essas regras lhe permitem muito bem comunicar sua mensagem, seja ela qual for, sem nenhum prejuízo ao conteúdo.
Eu jamais me recusei ao debate e você sabe disso. Sua acusação é injusta. E me chamar de medíocre pouco pode auxiliar em nossa conversa. Mas algo que tenho aprendido sobre muitos daqueles que pregam contra o cristianismo e a religião é muitos desses tem mais reclamações do que argumentos verdadeiros.
Vamos fazer assim, para facilitar o diálogo, ao invés de apresentar lamentos e reclamações sobre a fé de forma vaga e falaciosa, por favor, apresente de forma lógica e objetiva alguma objeção a alguma das minhas crenças especificamente ou algum dos meus textos ou qualquer coisa do tipo. Aí sim teremos um diálogo interessante. Isso é melhor do que os lamentos infantis que normalmente ouvimos.
Seja mais claro sobre meu “erro” em minhas percepções sobre o Jesus histórico e o Jesus da “fé”. E defina por favor o que quer dizer com Jesus da fé e também o sentido que você usa a palavra fé, pois eu acho que no seu caso a palavra que se seguiria a fé é a palavra cega. E eu nunca defendi esse tipo de crença aqui.
Fico feliz que você tenha voltado. Espero que dessa vez você se comporte e terá todos os seus comentários publicados!
Abraços.

Mar disse...

MUITO BOM Maurilo e Vivian.
Sei que em momento nenhum você colocou a religião como pauta e sim pregou o evangelho que e boas novas,não levantou bandeira calvinista,batista, Assembléiana etc.
afinal Jesus não e religião ele e o filho de Deus que se enganou em carne e morreu pelo nosso pecados e ressuscitou no 3 dia.
Agora sobre o Cristianismo e uma inversão constantiniana Jesus não fundou o Cristianismo foi constantino quem estudou cristianismo 1 e 2 sabe.
A Historia e Bíblia diz que eles eram chamados Cristão.

Maurilo e Vivian disse...

Olá Mar.
O mais importante sempre é pregar Cristo. Denominações ou linhas doutrinárias não salvam ninguém. Essas coisas são secundárias e se resolvem depois.
Em relação à questão de Constantino, depende do que você quer dizer com "uma inversão constantiniana" (eu acho que talvez você pretendia dizer invenção?). Se estiver se referindo à tornar o cristianismo como religião oficial do Estado, realmente, isso se deve a Constantino. Agora, se estiver se referindo a Constantino como criador das doutrinas do cristianismo, então acredito que você esteja errado, pois não é isso que vemos na história, tanto geral quanto da igreja. Talvez você possa me ajudar esclarecendo melhor sua colocação.

Mar disse...

Maurilo e Vivian sobre o Cristianismo na teologia no estudo cristianismo 1 e 2 ao ler ser ver que Jesus não fundou o Cristianismo como religião, e uma inversão de roma as pessoas que professava a fé em Jesus eram chamados Cristãos.

Jesus não nos mandou “abrir templos”. Ele nos mandou fazer discípulos. Que troquemos a imagem do “templo” cheio de pessoas pela imagem da mesa de uma refeição em família, em simplicidade, comunhão e com Pão & Vinho.

A IGREJA SÃO AS PESSOAS a morada de Deus.vocês não percebem que o que mais precioso no evangelho é que ele nos libertar da idéia de que Deus reside em local determinado?em Atos 7 Estevão falou Entretanto , não habita o Altíssimo em casas feitas por mãos humanas;
Mas onde é a casa do Senhor em nós veja Apostolo Paulo Atos 17.24-25, o qual, divinamente inspirado pelo Espírito Santo de Deus disse: O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens. Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois Ele mesmo é quem dá a todos a vida, a respiração e todas as coisas.
E a primeira carta aos Coríntios 3.16, afirma que nós somos o templo do Espírito Santo de Deus, observem: Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?
E em I Coríntios 6.19 diz: Não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?
Portanto amados, em harmonia com a verdade expressa na palavra do Senhor, a estrutura material edificada por mãos de homens designada para congregar os membros, a qual o homem trata de “igreja”, outros pregadores criam até um dogma alegando que a igreja (estrutura física) é o Santuário do Senhor Deus, lugar sagrado para encontrar a Jesus e receber as suas bênçãos, é um propósito equivocado, porque a verdadeira igreja de Cristo somos nós, ou cada membro do Corpo de Cristo constituem a igreja que Cristo arrebatará no último dia.
Considere a palavra aos Hebreus 3.6: Jesus Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão-somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim.
E no Evangelho de Mateus 18.20, Jesus declarou: Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.

Mar disse...

Assistar este videos um e pequeno comentario o outro e um filme.

O SIGNIFICADO DA RELIGIÃO E DO EVANGELHO.
http://www.youtube.com/watch?v=sCDrtiZCIAo

Constantino ou Jesus ? - parte (1/8)
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=LYdKMa5uiOM

Mar disse...

Fontes sobre assunto:

http://anaburle.blogspot.com/2009/03/jesus-nao-fundou-o-cristianismo.html

outro em mp3

http://ocaminhoemmim.blogspot.com/2010/05/audio.html

Maurilo e Vivian disse...

Olá Mar.
Eu concordo com o sentido dos textos que você apresentou. Quando voltar de viagem vou ver com calma o vídeo que você apresentou.
Concordo que existem pessoas que possuem entendimento errado sobre o que é a igreja, que confundem templo com o corpo, mas isso não prova que essa idéia em si estava errada. Muita coisa não foi prescrita nas Escrituras, mas isso não quer dizer que sejam proibida. Assim como também não prova que o cristianismo derivou de Costantino. Ele tornou a religião cristã (ou seja cristianismo) como a religião oficial do Estado, mas essa já existia, especialmente muito das suas estruturas eclesiásticas e doutrinárias.
Quando Jesus morreu na cruz, ele disse: está consumado. O Velho Testamento se encerrava ali e o novo começava. De certa forma, uma nova religião começava, a religião que na verdade sempre foi esperada pelo homem desde o dia que Adão pecou. E essa nova religião estava centrada em Cristo e continua até hoje. Portanto, podemos dizer que o cristianismo foi sim fundado por Cristo.
Eu vou ler o texto da Sementes da Palavra e depois eu posto o meu comentário.
Abraços.

Nas escrituras, tirar os sapatos tem um significado muito especial. Quando Moisés teve seu primeiro confronto com Deus, Ele disse para que ele tirasse seus sapatos porque ele estava em terra santa. Jesus caminhou descalço para o Calvário. Na cultura daquele tempo, estar descalço era o sinal que você era um escravo. Um escravo não tinha direitos. Jesus nos deu o exemplo supremo de renunciar tudo por um grande objetivo.
Loren Cunningham Making Jesus Lord / Marc 8:34,35

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...